Tags

links

sem categoria

John Galliano e variações sobre o tema

John Galliano deixa o comando da Dior e uma névoa sobre o futuro da lendária grife e de sua própria marca, ambas sob o comando do Grupo LVMH. Uma declaração muito infeliz fazendo ode a Hitler tira de cena um dos personagens mais talentosos e divertidos dos mundo da moda. As aparições do estilista na passarela eram tão aguardadas quanto suas coleções. Aí Galliano, porque você fez isso?

Galliano, look básico de astronauta, em 2006

Essa não é a primeira vez que citações aos nazistas tiram de cena figuras do mundinho. Em 1999, James Brown, então editor da GQ foi demitido depois de incluir os súditos de Hitler na lista de elegantes do século. Ele só esqueceu que o dono na Conde Nast, que publica a revista, é judeu.

pra ler:

Do outro lado, no entanto, pouco se comenta, mas a vida de Mademoseille Chanel é marcada por uma polêmica simpatia aos nazistas, como explica esse texto da Mary Del Priore para a Bravo.

Outro dia fui apresentada ao livro “Fashion at the Time of Fascism”. Como os nazistas, os vizinhos fascistas tinham uma obsessão pela estética. Esse livro não fala sobre os uniformes militares e sim sobre como era a moda durante a gestão de Mussolini da Itália. Na época tinha até um movimento no país para excluir expressões francesas da moda. O Cajon DeSatre fez uma resenha bem didática do livro na ocasião do seu lançamento.


E outra dica de leitura é o texto da Vivian Whiteman no blog Última Moda. Concorde ou não com ela, a construção de ideas é excelente.

***
atualizado em 02/04
Olha eu no It MTV falando sobre John Galliano:

sem categoria

Stella McCartney versão brasileira

No próximo dia 23 de março algumas lojas CeA receberão a coleção da Stella McCartney. Também haverá venda pela internet. A estilista britânica reeditou 27 hits de sua carreira para a parceria com a rede de fast-fashion. Os preços variam de 70 a 500 reais. Os modelos serão vendidos exclusivamente no Brasil e consolidam o reposicionamento de marca do magazine no país, que já havia começado no ano passado com as parcerias com Maria Bonita Extra, Amir Slama e Gloria Coelho.

Aqui a coleção:

(se não aparecer nada clica aqui)

Os trabalhos com Stella começaram há 18 meses. A primeira exigência da estilista foi a matéria prima de primeira qualidade. A equipe da CeA recorreu a fornecedores da China e da Índia. Um dos desafios foi unir realidades diferentes. A estilista está acostumada a desenhar para as européias, então, adaptações ao corpo mais voluptuoso da brasileira foram necessárias.
Pude conferir as peças de perto em um evento que a loja promoveu para blogueiras paulistas. Acabamento é sempre uma questão polêmica quando o assunto é fast-fashiom, mas neste caso o resultado foi muito bom.

784355 _ preto
o favorito!

Aproveitei para perguntar ao representante da equipe de estilo da CeA se a Stella havia exigido alguma coisa em relação aos processos produtivos, uma vez que ela é vegetariana militante e defensora de atitudes socialmente responsáveis. Ele mencionou o SOCAM, que é uma auditoria interna que fiscaliza as confecções que prestam serviços para a CeA.
Stella McCartney por Bruce Weber©
Stella McCartney clicada por Bruce Weber©
Stella sempre coloca uma música do papai Paul McCartney para encerrar seus desfiles. E o ex-beatle, coruja que é, sempre comparece e se emociona. Certa vez para o GNT Fashion ele declarou: “Stella has an immaculate taste”, ou seja, um senso estético irretocável. A estilista inglesa já fez parceria com outras redes de fast-fashion: em 2005 emprestou seu nome para a H&M; em 2007 desenvolveu uma linha para a Target da Australia, com direito a repeteco em 2010. Outra parceria notória da inglesa é com a esportiva Adidas.
Para conhecer um pouco mais sobre a vida de Stella recomendo muito o perfil da estilista que a Vivian Whiteman, editora de moda da Folha de S. Paulo, escreveu para a revista Serafina, e que pode ser lido aqui.
sem categoria

parla!!!

A musa da moda Miucca Prada falou à CNN!! A primeira entrevista depois de três anos! A conversa está em inglês e foi feita em Seul na Coreia do Sul para o programa Talk Asia. O inglês dela cheio de um charmoso sotaque que deixa o final das frases duros (tipo véeeri gudi pêrrrson) é bem fácil de entender.

Ela fala sobre: a crise, o mercado de moda, o marido, sua história, a preocupação com a arquitetura e ainda dá sua opinião sobre o filme “O Diabo veste Prada”. Fiquei muito mais fã dela. A reportagem mostra a fábrica de sapatos = aí,aí + suspiros. A entrevista está dividida em três partes. IMPERDÍVEL!

Embedded video from CNN Video

Aqui o link para a o texto: